Entenda como a taxa de condomínio é calculada

Morar em um condomínio é uma escolha que traz diversas vantagens. Uma das principais é não precisar se preocupar com os cuidados das áreas externas, visto que há funcionários contratados especificamente para lidar com estes aspectos. Porém, nada disso é de graça; e é exatamente por isso que uma taxa de condomínio é cobrada mensalmente.

Mas você já parou para pensar em como ela é calculada? Sabe todos os fatores que estão incluídos no cálculo de uma taxa de condomínio? Neste texto, a Barbarotti Imóveis mostra tudo isso! Na sequência, você poderá ver uma lista com os principais gastos que devem ser levados em conta na hora de calcular a taxa de condomínio, além de um passo a passo de como muitos condomínios fazem este cálculo.

Boa leitura!

Fatores que devem ser levados em conta

A taxa de condomínio nada mais é que a divisão do total das despesas mensais entre todos os moradores do prédio. O valor arrecadado pelo condomínio com o pagamento das taxas é o que permite que a manutenção dos espaços comuns seja feita em dia. Além disso, alguns condomínios já incluem o valor de água e gás na própria taxa.

Tendo isso em mente, acompanhe na lista abaixo os principais fatores que são levados em conta para calcular uma taxa de condomínio:

  • Contas de água e energia das áreas comuns, incluindo aí a luz das quadras e a água dos bebedouros, por exemplo. Alguns condomínios disponibilizam wi-fi nas áreas comuns, o que também é acrescentado aqui;
  • Representando quase metade dos gastos do condomínio, os funcionários. Além do pagamento pelos serviços prestados, é preciso considerar também a existência de tributos como INSS, FGTS, férias, décimo terceiro, rescisão e vale transporte;
  • Manutenção das estruturas das áreas comuns, o que inclui elevadores, jardins, piscinas, instalações e obras rotineiras para manter o bom estado dos ambientes;
  • Água e gás dos moradores, que, dependendo do condomínio, pode ser individual ou ter o gasto total fracionado entre os moradores;
  • Gastos administrativos, que incluem taxas bancárias e pagamento da administração e do síndico;
  • Gastos com segurança, dentre os quais podemos citar câmeras, Circuito Fechado de Televisão (CFTV) e empresas de segurança terceirizadas;
  • E, por fim, é preciso ter um dinheiro extra para gastos não planejados, como obras que não estavam previstas e que devem ser feitas o quanto antes graças a uma emergência.

Como calcular a taxa de condomínio

Depois de saber tudo que é levado em conta para calcular a taxa de condomínio, o próximo passo é saber como calcular. A boa notícia é que isso é muito mais fácil; depois de mapear quais são os gastos, para o primeiro passo basta fazer orçamentos e estimativas de todos os fatores citados.

Depois disso, é só somar tudo e dividir pela quantidade de unidades do condomínio. O valor obtido é o que deverá ser pago por cada proprietário. Uma prática comum, porém, é incluir um pouquinho mais, pensando justamente naqueles gastos extras que não são previstos e podem acontecer a qualquer momento.

E aí, já sabia como funcionam os cálculos de taxa de condomínio? Caso tenha gostado do texto e queira receber mais, acompanhe a Barbarotti Imóveis no Facebook e no Instagram!